quinta-feira, 24 de maio de 2012

A FANTÁSTICA COMIDA PAQUISTANESA

A FANTÁSTICA COMIDA PAQUISTANESA

A comida do Paquistão é fantástica. Parece comida indiana, com uma influência árabe. Os pratos são aromáticos, muito bem temperados, com molhos feitos de ervas (por que não dizer "especiarias", já que estamos no Oriente?) e muita, mas muita pimenta.

Há carne de vaca, mas é mais comum você encontrar frango, bode e carneiro. Mais para a região do litoral, ou na beira dos rios, você acha também peixe fresco. Eles podem vir cobertos de molho, ensopados ou grelhados. E há pratos vegetarianos, com os mesmo molhos, mas legumes ao invés de carnes - lembrem-se, que por essas bandas, há pessoas que não comem bichos, como muitos hindus. Saladas e iogurte acompanham a refeição.

Porco passa ao longe. É impuro, dizia o profeta. È um tipo de carne proibida. Eles não gostam nem do cheiro. Mas também NE, já pararam pra pensar na quantidade de porcarias que o porco come? A carne é mesmo contaminada, por isso muitas pessoas tem alergia de carne de porco, eu sou uma delas.

Os pratos são bem gordurosos, o que pode levar os viajantes desavisados a um outro processo de limpeza do organismo, ainda mais nesses dias quentes de verão. Eu estava indo bem, firme e forte, até que dia desses o negócio pesou. O que me faz lembrar de contar que os chamados banheiros turcos, sem assento sanitário, são comuns no interior.

Nos locais mais tradicionais, come-se com a mão mesmo, sem pudores, usando o pão como garfo, faca e colher. E come-se no chão, com um pano estendido, ou em mesas. Em alguns lugares, senta-se em estruturas parecidas com camas, e come-se sentado ou semi-deitado nelas.

Toda a refeição vem acompanhada de arroz e, principalmente, pão. Semelhante ao chamado pão sírio vendido no Brasil, nas casas árabes, ele pode ser mais fininho e mole como uma massa de crepe ou um pouco mais grosso. De qualquer maneira, tradicionalmente é feito no chamado forno tandoor, em que ele é preso na parede de um buraco circular de barro, aquecido pela lenha em brasa, assando rapidamente. Servido quente, é incomparável. Faltou só aquela cervejinha.

Seja em um pobre restaurante do interior ou no belo complexo gastonômico que fica no alto das montanhas de Margalla, uma muralha que separa a capital da parte montanhosa do país, o sabor dos pratos é muito parecido. O que varia é o preço.

Nas ruas, é frito na hora e vendido em barraquinhas um tipo de salgado, com massa semelhante ao rolinho primavera vendido nos restaurantes chineses, mas de forma triangular e com recheio de massa de batata apimentada ou alguma carne. Nas mesmas barraquinhas, são vendidos doces. Bons, coloridos, mas cheeeeeeeeios de óleo.

Também há frutas como aí no Brasil - banana, coco, manga, mamão, melão, maçã. Mas há tâmaras, frescas ou secas, e umas frutas diferentes, como essa aí, que dá em um arbusto e parece uma melancia anã. Pelo o que me disseram, quando eu achasse uma dessas, poderia encarar porque era comestível. Mas na dúvida, foi melhor não arriscar. A dor de barriga pelo almoço já bastava, não precisa de uma pela sobremesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo! :)

Real-time Earth and Moon phase